Viagens

Como beber água sem plástico na Tailândia

Quem me acompanha pelo instagram, viu que, no mês passado, passei uns dias na Tailândia, viu também que, durante o tempo que lá estive, nunca comprei água engarrafa*.

Neste artigo, vou explicar como fiz para conseguir água potável na Tailândia, sem comprar garrafas de plástico descartáveis.

Como pessoa que tenta viver de forma mais sustentável, estou habituada, a questionar aquelas coisas que as pessoas “normais” lol consideram inquestionáveis. Por isso, antes de viajar, dediquei algum tempo a descobrir como iria evitar reduzir o meu impacto, durante estes dias na Ásia. Consciente que, só a viagem de avião, é logo um mega fail do ponto de vista da sustentabilidade… Mas é assim, a vida acontece. Por isso, sabendo que, em termos de transporte, só ia fazer “disparates” restou-me ver no que podia minimizar o meu impacto.

Cedo me deparei com a questão da água potável, que todas as pessoas com quem falei me disseram que ia ser inevitável. Ainda assim, decidi investigar mais para ir preparada, ainda que pouco confiante…

Antes de viajar, perdi algum tempo a pesquisar o que podia levar para evitar lixo (podem ver o kit zero waste que levei, aqui ) e como podia fazer para beber água sem garrafas de plástico. Li o post da Monica Rosquillas e da Lidsay Miles sobre isso. Fiquei, relativamente, tranquila. Percebi que iria ser possível evitar algumas garrafas de plástico. Mas, saí de Portugal, convencida que, em algumas alturas, não ía ter hipótese. Ía decidida a fazer disso uma prioridade mas, ao mesmo tempo, tinha noção que, por não viajar sozinha (nem com zero wasters lol), talvez tivesse que ceder, em alguma ocasião.

Masssss, para meu próprio espanto, ao fim de 16 dias, pude orgulhar-me de não ser responsável nenhuma garrafa de plástico perdida pela Ásia!!!

Como beber água sem garrafas de plástico (Tailândia)

Então, como fiz para encontrar água potável sem recorrer a garrafas de plástico descartáveis?

Primeiro, andava sempre com as minhas garrafas para encher e enchia sempre que possível. Mesmo que ainda tivesse alguma água, bebia para encher novamente, porque, às vezes, não sabia quando voltaria a ter acesso (e eu bebo alguma água, lá, talvez, 3L por dia) .

Segundo, estava sempre atenta aos bebedouros (quer fosse no aeroporto, no Hostel, no café, etc.) e pedia para encher as minhas garrafas.

Em alguns locais, encontrei as máquinas abaixo, para comprar água. Paga-se muito pouco e sai muita água. Se usarem, vão preparados para trazer 2/3L de água.

Máquina para comprar água em Chiang Mai.

Quando não ficava/ia a locais que tivessem água, recorria ao mapa da Trashero. É uma iniciativa que mostra locais, onde podemos reabastecer gratuitamente as nossas garrafas. Também organizam limpezas de praia que, com pena, não tive oportunidade de participar. Sem dúvida, foi a minha salvação, em muitos sítios. É incrível a amabilidade, com que fui recebida, em todos os locais aderentes. Todas as pessoas, me pareceram, igualmente, comprometidas a evitar plástico. Fui a vários pontos, desde estabelecimentos locais, onde enchiam um jarro com água do garrafão de 20 litros e depois passavam para a minha garrafa; a centros de mergulho estrangeiros, totalmente ocidentalizados. Em todos fui MUITO bem recebida. Era só chegar aos sítios e pedir para encher. Uma vez, em Koh Lanta, à noite, fui ao único sítio aberto no caminho para casa e uma menina, super querida, foi pôr gelo no dispensador, para me dar água fresca.

Se, em alguma altura, tivesse comprado água tentaria comprar na maior embalagem disponível. Não ía morrer à sede, para não consumir plástico, óbvio lol.

Acho útil deixar os locais onde estive e como fiz:

Água sem plástico na Tailândia (por locais):

Bangkok | Os hostel onde fiquei tinha dispensador de água, enchi sempre lá. Também no aeroporto (há vários pontos de água, geralmente ao pé da casa de banho).

Dispensador no hostel em Bangkok, água quente também 🙂.

Chiang Mai | Na máquina perto do hostel nesta rua (e noutra também nessa zona que não encontro no mapas). No santuário que visitámos. Nesta loja (tem várias coisas interessantes, cosmética natural, acessorios ZW, etc.) que encontrei por acaso. Mais tarde, já nas Phiphi, li este guia, com várias lojas interessantes que tive pena de não visitar. Enchi também no aeroporto.

Bebedouro no aeroporto de Chiang Mai (partidas voos domésticos). Também tenha ao lado um dispensador de água quente.

Phuket | Só fiquei uma noite, mas pedi na recepção do alojamento e encheram me as garrafas. Se precisares usa o mapa Trashhero ou o guia que referi no parágrafo anterior.

Koh Lanta | Usei o mapa Trashhero. Há muitos pontos pela ilha! Aqui foi o único sítio que pedi, no alojamento onde ficámos e não me encheram a garrafa, não sei se perceberam…

Koh lipe | Usei o Trashhero e no alojamento onde fiquei havia dispensador. Nesta ilha, também há muitos pontos!

Dispensador no bar do alojamento onde ficamos, Koh Lipe.

Koh Phi Phi | Usei a Trashhero e fui sempre aos 2 centros de mergulho, a caminho do nosso quarto. Não há muitos pontos na ilha. Também enchi num café, perto do viewpoint, e paguei – foi o único local e, embora tenha achado o valor um pouco elevado, pois foi o mesmo de uma água engarrafa, não sou nada contra pagar, alguém paga sempre, por isso, faz sentido ser quem consome. No alojamento em que ficamos só havia água quente (mas havia gelo), desenrasquei-me assim uma vez.

Krabi | Tínhamos dispensador no hotel e enchi no aeroporto (é logo quando passas a segurança, mas se não encontrares, pergunta!).

Vários sítios onde fiquei ofereciam amenities que incluíam água engarrafada. Recusei sempre tudo.

Na rua, era sempre um desafio conseguir uma refeição ou uma bebida sem descartáveis. Tinha de estar mega alerta, o uso de plástico é um bocado indiscriminado. Enquanto pedia, mostrava logo os meus recipientes e dizia “can be here? No plastic please” – era sempre na boa. Havia alturas, em que me sentia um mix entre alien e celebridade porque chamavam a família para ver o meu kit, os turistas também ficavam a olhar e, muitas vezes, falavam comigo, a elogiar a atitude.

Se precisares de alguma dica fala comigo pelo instagram que ajudo, no que conseguir (não digo para o fazerem, por aqui, porque ainda me estou a ambientar lol).

ATENÇÃO: as palhinhas são mesmo uma praga, pede tudo SEMPRE sem palhinha e mostrem a vossa (mesmo que não a vão usar) para ficar claro. Fui responsável por mais palhinhas em 2 semanas do que nos últimos 3 anos, porque, ao início, pedia, mas não insistia e, provavelmente, não me percebiam bem.

* a água da torneira na Tailândia NÃO É POTÁVEL!! Há alguns filtros portáteis no mercado. Já li sobre alguns, mas nunca usei. Parece-me uma opção interessante.

Mais sobre esta viagem: Kit zero waste de viagem (Tailândia).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *