Alimentação e receitas

Urtigas: como apanhar e cozinhar.

Há uns dias, precisei de espinafres selvagens e não tinha no quintal, situação rara por estes lados. Lembrei-me que podia usar urtigas na receita, para substituí-los. Admito que, ultimamente, as tenho desprezado, pois tenho tido abundância de verdes com menos personalidade (isto é, mais fáceis de arranjar e/ou apanhar).

Partilhei no instagram e, muitas pessoas, não sabiam que são comestíveis. Em tempos, também achei esta ideia estranha mas, há anos, que cozinho urtigas. Desde que descobri que se podem (e devem) comer, fui falando com pessoas mais velha sobre estas mal-amadas folhas, muito frequentes em vários locais (na verdade, consideradas, daninhas). Descobri que, como outras plantas que, com os anos e a abundância de alimentos, caíram em desuso, as urtigas já estiveram bem presentes nas cozinhas portuguesas.

Se quiserem saber mais sobre os seus benefícios, vejam este vídeo da Fernanda Botelho.

Urtigas que cresceram no vaso do Antúrio.
Folhas apanhadas com a “técnica tesoura” .

1.COLHER:

Para começar, a parte mais chata, é apanhá-las. Prefiro as folhas mais jovens, ficam mais tenras quando são cozinhadas. Depois de algumas colheitas, refinei a minha técnica. Ao início apanhava “à mão”, com luvas, como recomendado na maioria dos artigos disponíveis na internet. Entretanto, resolvi experimentar cortar, com a tesoura, apenas as folhas, directamente, para uma taça. Comecei por usar luvas na mesma (escolha inteligente) mas agora não uso e achincalho-me ferozmente cada vez que me pico… Portanto, só te posso dar um conselho: corta com a tesoura e usa luvas na mesma. Para os calões, como eu: escolham logo as folhas mais limpinhas. Não uso os caules porque são muito fibrosos.

2.PREPARAR:

Conheço duas formas de “retirar” os picos das urtigas: fervê-las/deitar água a ferver e esperar um pouco ou deixar ao ar de um dia para o outro. Normalmente, fervo e uso. Tenho uma amiga que usa a outra técnica, mas, honestamente, tentei deixar de um dia para o outro numa taça e algumas folhas continuaram a picar (como alguns tiveram oportunidade de ver no instagram, ahah). Aparentemente, não fiz nada errado por isso não sei. O melhor é escaldar!

3. COZINHAR

Eu uso da mesma forma que os espinafres ou couve. Dá para lasanha, esparregado, salteadas, pesto, migas/açorda, risoto, etc. Na sopa, ficam muito agradáveis: foi como as comi a primeira vez, se forem “jovens” lembram a textura dos agriões. Há, também, quem faça chá. De momento, estou a experimentar usar a água de escaldar as urtigas para massajar o couro cabeludo (é indicado para quem tem caspa, tipo eu, sempre lol).

Sopa de urtigas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *