Alimentação e receitas

Ideias para aproveitar pão duro

Como, há muitos anos, que sou intransigente, nesta questão do desperdiço de comida (bem antes de conhecer o movimento zerowaste) já pesquisei, muitas vezes, “como aproveitar x alimento …” e estas listas, com ideias, sempre me ajudaram. Decidi começar a fazê-las também, com alimentos da época (como fiz com a laranja aqui) e outros que aproveite, com frequência. Eventualmente, irei atualizando estas listas, à medida que surjam novas descobertas.

Portugal é um país tipicamente consumidor e produtor de pão. Em tempos de maior escassez, foi determinante para a sobrevivência da população mais pobre e é dos alimentos mais presentes na gastronomia (e casas) portuguesa. Atualmente, o seu consumo continua elevado e também o seu desperdício(1).

Não há razão para desperdiçar pão, porque há formas muito fáceis e saborosas de o aproveitar! Aqui ficam algumas:

  • (Voltar a) pôr no forno: borrifar com um pouco de água e voltar a pôr no forno até ficar mole. Resulta melhor se o pão ainda não estiver muito duro, mas mesmo que esteja, também dá para usar esta técnica. É importante comer na hora, porque, depois de ficar frio, volta a ficar duro.
  • Tostas/torradas : feitas na tostadeira/tostadeira, na frigideira ou no forno . Abertas, estilo bruschetta ou uma espécie de minipizza. Há muitas formas de fazê-las, muitas combinações e são muito boas para não só para aproveitar pão duro como outros restos que estejam a precisar de ser consumidos.
  • Croutons/tostinhas: normalmente, o destino dos restos de pão, cá em casa. Nunca comprei croutons, nem tostinhas, é muito fácil de fazer e bem melhor que os de compra! Basta cortar o pão em quadradinhos (ou tostinhas) temperar a gosto (normalmente, ponho apenas orégãos e azeite) e levar ao forno, frigideira ou microondas.
  • Pão ralado: basta deixar o pão secar bem ou tostar um pouco e triturar até ficar em farinha (facilita partir antes em pedaços pequenos).
  • Açorda: desde que me lembro do meu pai cozinhar, que me lembro de fazer açordas! Muito simples e versátil de fazer (dá para inúmeras combinações). Ainda não fiz nenhuma versão vegan, mas ando de olho nesta do centro vegetariano e nesta do blog compassionatecuisine.
  • Migas: adoro, sempre adorei, em versão vegan ou não, é uma das minhas formas preferidas de aproveitar pão (rimei sem querer lol, que croma)! Dá para juntar com qualquer couve, espinafres, grão, feijão, o que tivermos.
  • Croquetes/Hamburgueres: os restos de pão são perfeitos para dar consistência a este tipo de receitas! Usei nos croquetes de tremoço, podem ver aqui.
  • Sopa com pão: as típicas sopas alentejanas ou qualquer versão semelhante. Cá em casa, fazemos, com frequência, um refogado de tomate, alho, coentros ou salsa, alguma alga para dar sabor a caldo de peixe (ou água de cozer peixe que, por vezes, peço a minha mãe para guardar), depois, deito em cima de uma fatia de pão duro fatiado ou em pequenos pedaços.
  • Fatias douradas/rabanadas: não sou especialmente fã deste doce, mas conheço muitos apreciadores por isso decidi partilhar. Vi há uns tempos esta versão vegan e fiquei tentada, mas ainda não tive oportunidade de fazê-la.
  • Sopas de café com leite: amava quando era pequena. É engraçado como o paladar nos deixa tantas memórias, sempre que a minha mãe fala da nossa bisavó, lembro-me de ir visitá-la e comer esta iguaria, pergunto sempre “aquela que fomos ver a Lisboa e comi sopas de café com leite?”. Há anos que não como, mas lembrei-me delas enquanto escrevia isto. Como, atualmente, não bebo leite animal, vou experimentar uma versão vegan, em breve! Depois partilho!

Sente-te convidado a enriquecer esta lista nos comentários ou no Instagram. E, por favor, não desperdices pão, em último caso, partilha com quem tem animais (galinhas, etc.) que serão, certamente, aproveitados. Se não conheces ninguém, pergunta no mercado, oferece nas redes sociais ou procura na app ShareWaste que liga quem tem restos a quem os aproveita (não só para compostagem, mas também para alimentar animais).

(1)Do Campo ao Garfo. Desperdício Alimentar em Portugal, Baptista, Pedro, Campos, Inês, Pires, Iva, Vaz, Sofia G. (2012).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *